segunda-feira, 1 de maio de 2017

O sofisma ao qual somos alheios

Enunciam, por aí, que o melhor local do mundo
São praias onde a infância se cruza com castelos.
Declaram, confiantes, tamanha dissertação inglória
Porque nunca viveram mais do que lugares.

Como lhes pode ocorrer que o melhor local do mundo
Sejam terras onde o vento nos segreda histórias?
Julgam, iludidos, ter em si a verdade universal
Porque jamais gozaram da nossa sorte.

Gritam, então, aos céus que o paraíso na Terra
São salas onde nos encostamos à lareira.
Desconhecedores, juram-no a pés juntos,
Porque creem que o éden é ponto imóvel.

E nenhum deles tem razão…
Porque o melhor local do mundo
É aquele onde te abraço!

Fonte da Imagem: www.google.com/imghp

Gonçalo Sobral Martins

4 comentários:

  1. Linda poesia, como sempre ...

    ResponderEliminar
  2. Tremendo poema!!

    Fabuloso msm

    ResponderEliminar
  3. -> São praias onde a infância se cruza com castelos.

    -> Sejam terras onde o vento nos segreda histórias?

    -> Porque creem que o éden é ponto imóvel.


    Metáforas lindíssimas. Um rasgo de genialidade dentro de si, Gonçalo.

    Conserve-o, para o bem de todos os que o lêem. ;-)


    Cordiais cumprimentos,
    José Fonseca

    ResponderEliminar
  4. " ... porque o melhor local do mundo
    é aquele onde te abraço ! "


    Gonçalo, não posso deixar de te dizer, que foi a definição mais lúcida, perfeita, exaltante, que ouvi sobre o melhor local do mundo ! O terceto acima exprime, em poucas linhas , o génio que revelas na arte de escrever poesia. Estás de parabéns!

    Atenciosamente,

    antónio palma

    ResponderEliminar